terça-feira, março 27, 2007

Não é Ludov, porra!

Por Thiago Soares
Fotos por Jorge Mariano

Dia dez de março de 2007, mais uma vez a Panelinha Produções trouxe um grande show de rock alternativo para Maringá. A banda da vez foi a paulista Ludovic. Um show aguardado por muitos e que não desapontou ninguém. Mesmo com a forte chuva, o público maringaense compareceu ao Tribo’s Bar.

Só famosos: Johnes, Eduardo (expressão), Julio (Ludovic), Zek (Ludovic), Japinha, Dyo (Sulk), Alexandre Gaioto (Inbox), Jhoni e mais uma galera


Além do Ludovic, se apresentaram a banda maringaense A VI Geração da Família Palim do Norte da Turquia e a londrinense Silêncio!.


Por volta da uma hora da manhã, a primeira banda – A VI Geração da Família Palim do Norte da Turquia - subiu ao palco. Show insano. Nunca vi o público maringaense tão ativo no show dos caras. Elogios de todas as partes marcaram o show da Família Palim. Como sempre o momento mais aguardado do show não deixou a desejar.

Hassen e Hastür em um momento de interação

Sempre que os Palins tocam “A Burkha” coisas bizarras acontecem, dessa vez não foi diferente. Invasores de palcos, guitarras ao chão, banda no lugar do público e público no lugar da banda. Aconteceu de tudo no auge da insanidade do show da banda maringaense, que fechou com chave de ouro e deixou a próxima banda em uma situação complicada.

Alexandre Gaioto mais uma vez invade o palco

O Silêncio!, que subiu ao palco depois dos Palins, sofreu com o desgaste físico do público – menos de um gordinho de cinza que incansavelmente tentava agitar a galera. Apesar disso, a banda não se intimidou e mandou várias de suas composições. O show foi bem legal, as músicas são sinceras, porém, tocar depois daquele show que os Palins fizeram não era para qualquer um. Regados a Ypióca, o Silêncio! terminou o show, também arrancando elogios de várias partes. Inclusive da equipe Garagem que recebeu agradecimentos sinceros de Tiago Ponti, pelas “últimas palmas”.

Público atento e cansado

Para fechar a noite, subiu ao palco a tão aguardada banda paulista Ludovic. O público já esperava algo insano, isso porque nos cartazes havia frases que definiam o show como “o mais perigoso do rock nacional”. Era tudo verdade. Jair Naves, vocalista da banda é louco. O público ao vê-lo em cima do palco, também ficou louco.

Eduardo e Fábio, os únicos comportados do Ludovic

Jair Naves arrancou pedaços do palco, quase quebrou cadeiras, subiu em cima da bateria e quase agrediu os companheiros de banda. Deitou, rolou e ajoelhou em cima do palco. Saiu e voltou para o palco umas cinco vezes, com direito a uma volta em torno do bar em uma das vezes. O Ludovic encerrou a noite tirando suspiros de todo o público maringaense. O show do Ludovic é simplesmente indescritível.

Jair Naves: insano

Quando todos pensavam que a noite havia acabado, eis que surge Flávio Silva com a sua discotecagem dançante. Júlio, baterista do Ludovic, fez um show à parte. Empolgado com as músicas que Flávio Silva tocava, o baterista encarnou o Michael Jackson e dançou até às sete horas da manhã, levando ao delírio algumas garotas que, indignadas, fitavam o rapaz.

Júlio, do Ludovic (não temos fotos dele dançando)


Se você um dia tiver a oportunidade ir a um show do Ludovic, não perca, vá e tire uma foto do Júlio dançando.

3 comentários:

Alexandre Gaioto disse...

Muito bem resenhado, Soares!!!
rooooock!

cesarmiguel disse...

Boa, cabelo.

flavia disse...

hummm que as garotas dançaram com o batera!!!!!! mas ninguem é capz de supera--lo!!!!!